ACONTECE IMOB

NOTÍCIAS

Voltar

Economia e Mercado

Investir para obter rendimento

O facto de as taxas de juro se manterem historicamente baixas a nível global significa que o rendimento permanece escasso. Isto faz com que o dividend yield (índice que mede a rentabilidade dos dividendos de uma empresa em relação ao preço de suas ações) de aproximadamente 4% disponível neste momento no DAX e no FTSE 100 pareça atrativo.

21/11/2011

O facto de as taxas de juro se manterem historicamente baixas a nível global significa que o rendimento permanece escasso. Isto faz com que o dividend yield (índice que mede a rentabilidade dos dividendos de uma empresa em relação ao preço de suas ações) de aproximadamente 4% disponível neste momento no DAX e no FTSE 100 pareça atrativo.

Como é óbvio, estas taxas de regenerabilidade mais elevadas estão ligadas ao maior risco associado ao capital - e utilizar ações para gerar rendimento pode pôr em risco o investimento inicial do investidor. No entanto, o risco funciona em dois sentidos e, para os investidores que estiverem preparados para aceitar este risco e a volatilidade de curto prazo dos mercados acionistas, investir em ações para obter rendimento pode proporcionar um rendimento regular atrativo.

As vantagens de reinvestir o rendimento proveniente dos dividendos das ações
Existe outra vantagem em investir em ações para obter rendimento quando os dividendos são reinvestidos em vez de retirados. Muitos investidores da bolsa subestimam a importância dos dividendos para o potencial de crescimento dos seus investimentos. Os dividendos são muitas vezes descurados, ou considerados secundários pelos investidores cujo enfoque é o crescimento do capital.

O efeito positivo dos dividendos no retorno total é construído a longo prazo. Reinvestir os dividendos dos investimentos pode fazer uma diferença significativa nos retornos do capital graças à magia da acumulação.

Um estudo efetuado pelo Barclays Capital (Equity Gilt Study 2011) sobre a importância de reinvestir os dividendos revelou que 100 dólares investidos no mercado acionista norte-americano em 1925 teriam crescido para 9.524 dólares no final de 2008 sem o reinvestimento dos dividendos, mas para 302.850 caso o rendimento proveniente dos dividendos tivesse sido reinvestido durante o período. Mesmo em períodos de investimento mais curtos, o mesmo efeito é evidente.

Dividendos são mais importantes num contexto de menor crescimento
Em um mercado em alta, quando as ações estiverem a subir 10 ou 15% ao ano, o rendimento adicional de 2-3% decorrente dos dividendos não representa mais do que um pequeno acréscimo ao retorno. No entanto, quando os retornos do mercado são moderados ou quando os preços das ações caem, os dividendos podem fazer uma diferença significativa nos retornos totais; quando as cotações caem, o rendimento aumenta, ajudando a proteger o retorno real das ações. Num mercado em queda, um dividend yield elevado (se o payout for considerado sustentável) pode funcionar como suporte para o preço das ações uma vez que um rendimento elevado e no qual se pode confiar atrairá outros compradores.

Nas baixas do mercado, garanta o rendimento elevado e o potencial para mais-valias
A análise do período de alta do mercado de 2003-07 sugere que o enfoque nas ações de elevado rendimento nos períodos de baixa do mercado pode melhorar os retornos globais. A compra de ações de elevado rendimento durante as baixas do mercado proporciona aos investidores um duplo ganho - garante um retorno de elevado rendimento do seu investimento inicial e se beneficia igualmente de um retorno do capital acima da média.

Esse não é um fenômeno exclusivo do período de alta do mercado de 2003-07, ou, de fato, do mercado do Reino Unido. Aplica-se durante outros períodos e igualmente a outros mercados. O gráfico acima mostra como, durante um período de tempo mais longo, as ações de elevado rendimento tiveram um desempenho superior às de menor rendimento na Europa. Também ilustra que o desempenho forte dos títulos de crescimento de baixo rendimento durante as fases finais da bolha tecnológica em 1999-2000 foi uma anomalia. A pesquisa mostrou que os dividend yields são inversamente correlacionados com o desempenho subsequente dos preços das ações.

A seletividade é essencial
Uma taxa de regenerabilidade elevada pode indicar que um título está a ser negociado com desconto face ao valor inerente. No entanto, a seleção de títulos é essencial para identificar as ações que constituem as melhores oportunidades em termos de pagamento de um rendimento com vista a evitar 'armadilhas relacionadas com o valor'. Por exemplo, os lucros e os dividendos de algumas multinacionais podem ser ocasionalmente impulsionados por variações cambiais mas essa vantagem pode não ser sustentável. Outras empresas podem oferecer uma taxa de rendibilidade elevada mas não serem capazes de aumentar o seu dividendo; é importante identificar as empresas que estejam em risco de reduzir os dividendos devido a um declínio dos fundamentais da empresa ou da indústria. Uma análise fundamental abrangente das empresas é essencial para encontrar os melhores títulos.

IMOBILIÁRIO COMERCIAL
Os investidores que procurem rendimento deverão igualmente considerar seriamente e com o objetivo de diversificação a afetação ao imobiliário comercial, dado o rendimento adicional historicamente elevado agora disponível face aos títulos de dívida pública. Caso a Reserva Federal ceda aos pedidos do mercado de maior estímulo, a procura decorrente do programa de quantitative easing poderá também servir de suporte ao mercado imobiliário.

Taxas de rendimento elevadas
As yields do imobiliário oferecem atualmente spreads recorde face aos títulos de dívida pública e às taxas de juro. O rendimento adicional disponível no imobiliário face aos títulos de dívida pública aumentou significativamente em relação aos mínimos a que assistimos no período de alta do mercado imobiliário de 2007, quando o imobiliário rendia apenas 80 pontos base adicionais relativamente aos títulos de dívida pública europeus.

Investidores sequiosos de rendimento
Estas taxas de regenerabilidade elevadas deverão ser particularmente atrativas para investidores sequiosos de rendimento, tais como os fundos de pensões. Elas oferecem um excelente ponto de entrada para afetações estratégicas, mas no entanto existem outros catalisadores positivos que favorecem o imobiliário. Há uma grande expectativa de que haja mais programas de quantitative easing em economias com baixo crescimento como a dos EUA e do Reino Unido. A liquidez global criada por estas políticas levaria a que os fluxos de capital fossem canalizados para ativos imobiliários e suportassem os valores do capital, fazendo baixar as yields.

Reavaliação do imobiliário como classe de ativo: o rendimento está na base do retorno
Da mesma forma que os investidores precisam de reconsiderar o modo como pensam acerca do investimento em ações num contexto de taxas de juro baixas, é também urgente reavaliar o investimento em imobiliário. O imobiliário é sistematicamente considerado em termos geográficos ou setoriais, apesar das diferenças consideráveis de risco e retorno existentes nos ativos imobiliários individuais.

A securitização das hipotecas que levou à crise de crédito fracassou por não ter devidamente em conta o risco ao nível dos ativos individuais - não reconheceu que cada bem imobiliário é diferente. Tentar acender ao mercado com vista a obter o retorno do mercado implica um grau elevado de risco porque os retornos individuais variam enormemente.

A seleção de títulos é de facto o mecanismo chave para os gestores gerarem um desempenho forte, com os números do IPD a indicarem que é responsável por 80% do bom desempenho dos fundos imobiliários no Reino Unido, por exemplo. É a razão pela qual os melhores gestores de fundos imobiliários têm como enfoque a obtenção dos melhores negócios dentro dos setores, em vez de terem como objetivo os 'retornos do mercado' decorrentes da exposição aos setores. E, no centro da obtenção dos melhores negócios está a compreensão de que o principal driver dos retornos é o rendimento (cerca de dois terços do retorno total).

Conclusão
O rendimento é muitas vezes descurado, sendo no entanto a componente essencial do retorno total das e do imobiliário comercial. A preocupação dos investidores com o crescimento do capital destes ativos tem sido tal que vão ter de aprender (ou reaprender) as vantagens de uma abordagem ao investimento centrada no rendimento.

O rendimento é o principal driver do retorno global do imobiliário comercial e pode ter um enorme impacto no potencial de retorno total de um investimento em ações caso os dividendos sejam reinvestidos. Nesse sentido, o rendimento não é apenas uma consideração para aqueles que procuram obter um rendimento - no atual contexto, o rendimento é uma consideração chave para os investidores que procuram o crescimento do seu capital a um prazo mais alargado.

Apesar de as oportunidades de obtenção de um rendimento atrativo estarem supostamente nas ações e no imobiliário, os investidores não deverão esquecer o vasto leque de oportunidades que o investimento em obrigações atualmente oferece. O investimento num fundo de obrigações estratégico e flexível que permita ao gestor orientar rapidamente o fundo de acordo com o contexto e fornecer uma medida de diversificação será uma solução interessante para muitos investidores que procuram obter um rendimento sem o mesmo nível de volatilidade que o investimento num mercado bolsista implica.